terça-feira, 27 de abril de 2010

As últimas!

Vixi, tem tanta coisa pra contar...
Bueno, depois do findi em SP fui pro aeroporto de Congonhas pra fazer um bate volta no Rio e gravar o Sem Censura. Perdi o voo por cinco minutos. Peguei o seguinte e chegando no Rio almoçaria com uma amigona pra depois seguir pra TV Brasil. É norma da ANAC todos os passageiros desembarcarem e por último sair o cadeirante. Bom, todos andantes sairam da aeronave e eu fiquei aguardando. Aguardando. Aguardando. Sério, mofei meia hora na porra do avião. Quando finalmente os funcionários da TAM chegaram com a cadeira, não era a minha! Pra completar, não havia ambulift nem o robocob e o avião não tinha parado no finger. Me desceram pela escada feito um saco de batatas. Pra mostrar como a lei de Murphy realmente existe, ainda extraviaram minha necessaire com todos os assessorios que eu mais gostava e meu perfume que custou uma banana! Sei que é bobagem, bem material. Mas, eu estava cansada e estressada, acabei abrindo o berreiro. Uma moça que passava na hora perguntou se estava tudo bem. Falei que sim com cara de rena, nariz vermelho e inchado. Eu soluçava e o cara da tam devia estar se perguntando o que havia de tão importante na bendita frasqueira.
Bueno, perdi o almoço e fui puta da cara dar entrevista. A mesa redonda foi show e conheci pessoas bacanas como o Guga Ferraz e o Henrique do Adaptsurf. Yeah, a próxima vez que for ao Rio vou pegar onda! Depois da gravação corri pro Santos Dumond com a esperança que houvessem achado minha frasqueira. Que nada. E de novo, a TAM deixa a desejar em acessibilidade. Eles tiveram que pegar emprestado um robocop da Gol para me transportar. Pelo amor de deus! Quero providências. Assim que chegar em porto vou agilizar aquele processinho por danos morais e materiais!
Well, cheguei em casa exausta mas feliz e louca de vontade de matar a saudade da family e dos amigos!
Quinta feira, dia do lançamento em Porto foi uma loucura. Comecei dando entrevista às 08h30 da manhã pra minha amigona Daniela Sallet na tv assembleia, em casa, hehehehe. Depois, voei pro salão e na sequencia comprei algumas blusas. Veja bem, só chove em Poa, e cheguei com a mala cheia de roupa suja! Entrevista pelada não dá, né?
Bueno, da loja fui pra RBS TV dar entrevista pro Jornal do Almoço, depois fui pra casa esperar a turma do Patrola que começou a gravar às 14h. Sai junto com a simpática equipe pra voar pra Rádio Gaúcha, onde tinha entrevista marcada Às 16h com o prof Ruy Carlos Ostermann. Detalhe, sai com tanta pressa que esqueci minha bolsa. Atrasada, sem um real no bolso parei no safe park que tem em frente à RBS e avisei pra mulher que guarda os carros: "Olha só, eu não sei se vou ter dinheiro pra pagar, mas eu tô atrasada e na volta te explico, tá?"
Estava chovendo pra caralho, eu sem guarda-chuva nem celular pra pedir a produção que me resgatasse fui na raça tomando altos pingos na cara e tb na cabeça. A escova da manhã foi pro espaço junto com a maquiagem e dei graças a deus porque a entrevista era na rádio.
Sobrevivi, minha irmã Lu veio me resgatar. No caminho, outra entrevista pra rádio, desta vez por telefone. Chegamos em casa com o tempo justinho pra trocar de roupa e retocar a make, o cabelo foi fodido mesmo.
Sem explicação o lançamento em Porto! Muitos e muitos amigos, gente que eu não via há anos! Demais mesmo. E a fila pra pegar os autografos saia pra fora da livraria! De vinho em vinho, terminei de psicografar dedicatórias às 22h. Não tive tempo de ir ao banheiro e sai de lá bebada e toda mijada, ôe!
Desmaiei em casa e no outro dia, mais correria. Acordei com a repórter da pampa gritando meu nome. Tinha entrevista marcada às 10h30 e não ouvi o despertador. Mami fez sala enquanto eu me vestia. Depois da entrevista, mais e mais correria. Banho voando e busão pra veranópolis onde rolou outra sessão de autógrafos. fui super bem recebida pela minha xará Juliana dona da confraria das letras. Maravilhoso reencontrar minha mana, minhas afilhadas e amigos! Mas, sente o fator comédia presente na vida da pessoa. Quando vejo os jornais de Nova Prata e de Veranópolis me deparo com um anúncio que dizia mais ou menos assim: "Juliana Carvalho, que contracenou com Alinne Moraes em Viver a Vida vem a Veranópolis lançar seu livro..." Quase cai da cadeira quando li a chamada! Bueno, o lançamento começou e a Ju me explicou que eu deveria dar umas palavrinhas, sabe como é... Senão amanhã o povo estaria falando que eu fui lá e não disse nada. Pedi uma taça de vinho pra ter mais desenvoltura no falatório. Foi bacana falar pra galera, mas então as pessoas presentes podiam fazer perguntas. Primeiro veio "como foi participar do Fantástico?" Falei que toquei a Ceribelli na cama e tal, mas não rolou química. Mentira. Falei que foi super bacana e tanto a Renata quanto toda a equipe são super legais. Bueno, veio a segunda pergunta: "E como foi participar da novela?" Sorvi um longo gole de vinho e expliquei o mal entendido: "Na verdade, não fui eu quem participou da novela e sim outra menina cadeirante. Mas, a produção da novela me ligou e estou na expectativa de dar um depoimento. Bem na verdade eu falei que só participaria da novela se eu ficasse com o Miguel..." Risos quebram o gelo, e logo vem outra pergunta: "Não serve o Jorge?"
Vixi, depois da saia justa correu tudo bem. Aproveitei o final de semana pra curtir minha mana e a Luisa, amor da minha vida. "Dida, vamô bincá de Babi?" Com certeza!
Além de afofar as duas fui no aniversário do meu amigo cadeirante Mauri. Meu, interior do interior. Sabe aquela estradinha de terra que nunca termina e tem um aspecto super bruxa de blair? Medo! E a gente se perdeu bastante até encontrar a cabana onde rolava o bundalele. Na festa, de novo me fizeram falar. A turma no interior é fogo!!! Sério, rolou um troço muito doido e bonito. Além do Mauri e eu de cadeirantes estava na festa o Nani, um amigão do Mauri que há sete anos bateu o carro, perdeu no acidente seu melhor amigo e ainda ganhou no kit tragédia uma bela lesão cerebral. Foi o pai dele, seu Germano que pediu que eu falasse e na sequencia dirigiu uma espécie de aleijados anônimos. Todos que estavam lá falaram um pouco sobre a vida, sobre suas experiências com a deficiência dos amigos e familiares e como isso alterou sua própria vida. Foi lindo.
Bueno, agora estou em BSB e de novo rola aquele friozinho na barriga antes de cada lançamento. Breve mais novas!

10 comentários:

Denise Selau disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Denise Selau disse...

Primeiramente queria te dizer que vc transmite uma luz tremenda. Acompanhava vc pelos blogs e tal. Mas, quando te vi aquele dia na Livraria Cultura, parecia q conhecia vc à anos...Acabei de ler o livro, li ele em 2 dias, me identifiquei mto com ele (como vc disse aquele dia na Cultura), tem partes que fazem parte da minha história tbm, mas tbm me surgiram tantas dúvidas. Vc tem um a garra pra lidar com certas situações que me deixaram de boca aberta(literalmente), acho q preciso ter um pouquinho de Juliana em mim. Queria te parabenizar pelo livro, maravilhoso.. Um exemplo pra mim cadeirante e pra todos dos seres humanos... Acho q tenho mto a aprender com vc, espero poder conversar com vc mais vezes, trocar experiências...
Beijos, tudo de bom pra vc.
deniseselau84@hotmail.com

Jairo disse...

É isso que eu chamo de 'gramur' ahahahahah... é a fama, nega!!! Mas vc tá vendendo tanto livro que loguinho compra um jato... ai vamo 'nóistudo' andar nele, né? ahahaha... beijocas.. tá bombando!!!

Fernanda Crancio disse...

Juuuu, to adorando o livro! A Veca j'a terminou. To aqui em SP com ela um pouco. A sessão de autógrafos tava tri boa e tu tava linda, mesmo com qa escova por água abaixo!
hahaha
beijocas

Denise disse...

Oi,Ju!Adorei te conhecer no lançamento do livro,aqui em Porto Alegre.Já "devorei" ele todo e agora estou relendo partes que me interessaram mais.
Adoraria conversar contigo,sairmos qualquer dia.
Sou cadeirante de nascença e sinto que tenho muito a aprender contigo
Beijão
Denise

maiara disse...

Guria...Tu és a maior surpresa que ja tive na vida. Tenho minha irmã cadeirante, tem 19 anos,e as vezes nosso discurso como família fica vazio, pois pensamos, agimos, e cade a sociedade,( rampa de acesso, elevador veicular, piso tatil, e por ai se estende)silência, ou faz de conta que não existem ( não Bateram em minha porta). Bá, claro que não, como vai sair de casa? como se locomover? Te digo sou Arquiteto e vejo a luta para um cliente permitir que se faça uma calçada com piso adequado, uma rampa de acesso dentro da norma, e não estas fantasias de secretárias de obras isentas de responsabilidade, fora da norma!!! Enfim, Juliana tu é ILUMINADA, tu és avoz engasgada de tantos e tantas julianas, maiaras (maninha querida) que assume a liberdade de expressão, o grito que pode ecoar e proporcionar uma nova realidade, estamos juntos.
Abraço e Parabéns pela entrevista ao Professor Ruy, sucesso em teu livro.
Estou a disposição pra tornar realidade aquilo que só se fantasia em papeis timbrados da constituição.
Lucas do Rio Verde MT
francoarquitetur@hotmail.com

Glauce Tiago Paraguassu disse...

Entra com processo mesmo!! Eu já ganhei 10 mil de danos morais contra a Gol, e já abrir outro processo por um erro semelhante. A história tá no meu blog. Passa lá depois e vÊ os primeiros posts. http://blogdaglauce.wordpress.com/
Venho sempre no seu blog e estou amando seu livro.

Beijão!!

mariana disse...

Olá Juliana
Uma vez li em um post seu que após a sua lesão voce nao produz mais suor. Eu preciso mostrar isso para o meu namorado que é lesado medular, também nao sua e diz que isso nao tem nada a ver com a lesao.
Pls...qual me manda o link???
Obrigada!

cintiagirelli disse...

Olá Juliana, tomei conhecimento do seu blog através do "Mão na Roda". Sou gaúcha, cadeirante e moro há 16 anos no Rio(solita), vim porcausa do esporte, joguei basquete durante 10 anos na Seleção Brasileira, agora trabalho e estudo, bem gostei muito do seu blog e as suas histórias lembram muito algumas histórias minhas...(que tão hilárias, no fim das contas acabam virando piada).
Gostaria de saber se posso colocar o link do seu blog no meu blog...parabéns!!

Juliana Carvalho disse...

Oi De, que legal rolou esse sentimento! Obrigada!
Jairão, tô louca pra ter esse jato, hehehehe!
Fe, brigada! São seus olhos que não perceberam meu blackpower!!!
Denise, sou parceira dessa saida! Lima e silva?
Oi Lucas, te mandei um e-mail! Recebeu?
Oi Glauce, amei teu blog!Vou usar mostrar teu caso pro meu advogado! Jurisprudência de quebrados, ôe!
Oi Mariana, o texto está no sem barreiras http://wp.clicrbs.com.br/sembarreiras/2010/02/04/sobreviveremos-a-onda-de-calor/?topo=77,1,1
espia lá!
Oi Cintia, claro que pode colocar o link!
Beijão em todos!