terça-feira, 27 de abril de 2010

As últimas!

Vixi, tem tanta coisa pra contar...
Bueno, depois do findi em SP fui pro aeroporto de Congonhas pra fazer um bate volta no Rio e gravar o Sem Censura. Perdi o voo por cinco minutos. Peguei o seguinte e chegando no Rio almoçaria com uma amigona pra depois seguir pra TV Brasil. É norma da ANAC todos os passageiros desembarcarem e por último sair o cadeirante. Bom, todos andantes sairam da aeronave e eu fiquei aguardando. Aguardando. Aguardando. Sério, mofei meia hora na porra do avião. Quando finalmente os funcionários da TAM chegaram com a cadeira, não era a minha! Pra completar, não havia ambulift nem o robocob e o avião não tinha parado no finger. Me desceram pela escada feito um saco de batatas. Pra mostrar como a lei de Murphy realmente existe, ainda extraviaram minha necessaire com todos os assessorios que eu mais gostava e meu perfume que custou uma banana! Sei que é bobagem, bem material. Mas, eu estava cansada e estressada, acabei abrindo o berreiro. Uma moça que passava na hora perguntou se estava tudo bem. Falei que sim com cara de rena, nariz vermelho e inchado. Eu soluçava e o cara da tam devia estar se perguntando o que havia de tão importante na bendita frasqueira.
Bueno, perdi o almoço e fui puta da cara dar entrevista. A mesa redonda foi show e conheci pessoas bacanas como o Guga Ferraz e o Henrique do Adaptsurf. Yeah, a próxima vez que for ao Rio vou pegar onda! Depois da gravação corri pro Santos Dumond com a esperança que houvessem achado minha frasqueira. Que nada. E de novo, a TAM deixa a desejar em acessibilidade. Eles tiveram que pegar emprestado um robocop da Gol para me transportar. Pelo amor de deus! Quero providências. Assim que chegar em porto vou agilizar aquele processinho por danos morais e materiais!
Well, cheguei em casa exausta mas feliz e louca de vontade de matar a saudade da family e dos amigos!
Quinta feira, dia do lançamento em Porto foi uma loucura. Comecei dando entrevista às 08h30 da manhã pra minha amigona Daniela Sallet na tv assembleia, em casa, hehehehe. Depois, voei pro salão e na sequencia comprei algumas blusas. Veja bem, só chove em Poa, e cheguei com a mala cheia de roupa suja! Entrevista pelada não dá, né?
Bueno, da loja fui pra RBS TV dar entrevista pro Jornal do Almoço, depois fui pra casa esperar a turma do Patrola que começou a gravar às 14h. Sai junto com a simpática equipe pra voar pra Rádio Gaúcha, onde tinha entrevista marcada Às 16h com o prof Ruy Carlos Ostermann. Detalhe, sai com tanta pressa que esqueci minha bolsa. Atrasada, sem um real no bolso parei no safe park que tem em frente à RBS e avisei pra mulher que guarda os carros: "Olha só, eu não sei se vou ter dinheiro pra pagar, mas eu tô atrasada e na volta te explico, tá?"
Estava chovendo pra caralho, eu sem guarda-chuva nem celular pra pedir a produção que me resgatasse fui na raça tomando altos pingos na cara e tb na cabeça. A escova da manhã foi pro espaço junto com a maquiagem e dei graças a deus porque a entrevista era na rádio.
Sobrevivi, minha irmã Lu veio me resgatar. No caminho, outra entrevista pra rádio, desta vez por telefone. Chegamos em casa com o tempo justinho pra trocar de roupa e retocar a make, o cabelo foi fodido mesmo.
Sem explicação o lançamento em Porto! Muitos e muitos amigos, gente que eu não via há anos! Demais mesmo. E a fila pra pegar os autografos saia pra fora da livraria! De vinho em vinho, terminei de psicografar dedicatórias às 22h. Não tive tempo de ir ao banheiro e sai de lá bebada e toda mijada, ôe!
Desmaiei em casa e no outro dia, mais correria. Acordei com a repórter da pampa gritando meu nome. Tinha entrevista marcada às 10h30 e não ouvi o despertador. Mami fez sala enquanto eu me vestia. Depois da entrevista, mais e mais correria. Banho voando e busão pra veranópolis onde rolou outra sessão de autógrafos. fui super bem recebida pela minha xará Juliana dona da confraria das letras. Maravilhoso reencontrar minha mana, minhas afilhadas e amigos! Mas, sente o fator comédia presente na vida da pessoa. Quando vejo os jornais de Nova Prata e de Veranópolis me deparo com um anúncio que dizia mais ou menos assim: "Juliana Carvalho, que contracenou com Alinne Moraes em Viver a Vida vem a Veranópolis lançar seu livro..." Quase cai da cadeira quando li a chamada! Bueno, o lançamento começou e a Ju me explicou que eu deveria dar umas palavrinhas, sabe como é... Senão amanhã o povo estaria falando que eu fui lá e não disse nada. Pedi uma taça de vinho pra ter mais desenvoltura no falatório. Foi bacana falar pra galera, mas então as pessoas presentes podiam fazer perguntas. Primeiro veio "como foi participar do Fantástico?" Falei que toquei a Ceribelli na cama e tal, mas não rolou química. Mentira. Falei que foi super bacana e tanto a Renata quanto toda a equipe são super legais. Bueno, veio a segunda pergunta: "E como foi participar da novela?" Sorvi um longo gole de vinho e expliquei o mal entendido: "Na verdade, não fui eu quem participou da novela e sim outra menina cadeirante. Mas, a produção da novela me ligou e estou na expectativa de dar um depoimento. Bem na verdade eu falei que só participaria da novela se eu ficasse com o Miguel..." Risos quebram o gelo, e logo vem outra pergunta: "Não serve o Jorge?"
Vixi, depois da saia justa correu tudo bem. Aproveitei o final de semana pra curtir minha mana e a Luisa, amor da minha vida. "Dida, vamô bincá de Babi?" Com certeza!
Além de afofar as duas fui no aniversário do meu amigo cadeirante Mauri. Meu, interior do interior. Sabe aquela estradinha de terra que nunca termina e tem um aspecto super bruxa de blair? Medo! E a gente se perdeu bastante até encontrar a cabana onde rolava o bundalele. Na festa, de novo me fizeram falar. A turma no interior é fogo!!! Sério, rolou um troço muito doido e bonito. Além do Mauri e eu de cadeirantes estava na festa o Nani, um amigão do Mauri que há sete anos bateu o carro, perdeu no acidente seu melhor amigo e ainda ganhou no kit tragédia uma bela lesão cerebral. Foi o pai dele, seu Germano que pediu que eu falasse e na sequencia dirigiu uma espécie de aleijados anônimos. Todos que estavam lá falaram um pouco sobre a vida, sobre suas experiências com a deficiência dos amigos e familiares e como isso alterou sua própria vida. Foi lindo.
Bueno, agora estou em BSB e de novo rola aquele friozinho na barriga antes de cada lançamento. Breve mais novas!

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Na correria

Correria fenomenal e uma amigdalite chata. Segunda o lançamento em SP foi demais! Todos meus amigos do sul que estão morando em sampa foram. Muita alegria revê-los! Terça hibernei, dormi até às 22h, acordei só pra comer uma pizza e tomar uma coca e voltei a dormir. Quarta fui pra BH, bom demais rever minhas primas e tios que moram em Minas! Também conheci um trio de cadeirantes muito legais no lançamento. Agora, em SP de novo, hoje de tarde gravo com o FANTÁSTICO! Eeeee, serei entrevistada pela Renata Ceribelli num motel. O assunto? Sexo de cadeirantes. Vai ao ar neste domingo! Sexta e sábado a maratona continua. Vou autografar na Reatech no estande do Superação. Segunda, vôo pro Rio pra gravar o programa Sem Censura da TV Brasil. Caralho! Precisava de mais umas duas Ju para fazer tanta cousa!!! Cansada, mas feliz pra carai!

domingo, 11 de abril de 2010

Mais novas

Não contei, mas enquanto esperava o vôo no Salgado Filho conheci uma mulher super legal. Mas, ela teve tantos episódios catastróficos que uma hora achei que ela tava me tirando. Veja bem: foi adotada, teve câncer de útero, teve cancêr de mama, com os tratamentos chegou aos 110kg, separou depois de 30 anos de casada e faz pouco, entre a vida e a morte, descobriu que tem a doença celíaca. Bueno, com uma coragem admirável essa doida na faixa dos quarenta resolveu ir morar em Portugal com um cara com quem se correspondia pela Internet há dois anos. Massa, né? Tomara que role química!
Bueno, também não contei, mas o táxi que me levou do Galeão até o Santos Dumond era guiado por um ser ilustre. O nome do motora era Jesus. Jesus - o taxista comentou que não é fácil ter o nome do homem, que é uma responsa. Aproveitando o momento mágico, não é sempre que 'o cara' tá ali do nosso lado em carne e osso, perguntei: "Jesus, meu livro vai vender?"
Daí, Jesus - o taxista respondeu: "Menos do que tu imagina, mais do que tu precisa." Interessante isso.
De saco pra mala, também esqueci de contar um episódio super fofo no ponto de táxi às 7h30 da manhã no Leblon, depois do terceiro boteco. Havia uma fileira de carros amarelos aguardando clientes. Os dois primeiros se negaram a me levar. O terceiro, com uma Zafira, alegou que não caberia no carro e toda aquela má vontade que a gente já conhece. Não sei porquê, se foram as caipiroskas, o cansaço ou só a raiva no sangue, mas dessa vez, tive que falar. O motorista do táxi da Zafira era um senhor baixinho por volta dos sessenta anos. Enquanto ele gesticulava e argumentava as razões para não me levar, larguei: "Quero ver quando o senhor tiver um AVC, ficar numa cadeira de rodas e passar por isso que estou passando..." Olhei bem no olho dele e falei: "O AVC tá chegando."
Gente, esse véio arregalou os olhos apavorado, "tu tá apelando!" E saiu, aposto, se cagando de medo.
Hum, deixa ver que mais tem pra contar... Ah, a entrevista com a Record foi super bacana, a jornalista Ana Paula foi um amor. E no final da gravação, li um trecho do livro e putz, tremi o queixinho, a voz embargou e fui obrigada a pedir pra jornalista terminar o trecho. Senti a emoção de toda a equipe, foi lindo. Ainda nessa tarde de gravações, estava com o meu amigão Sid (dono da casa onde estou hospedada) estavamos rodando nossas cadeirinhas enquanto faziam imagens e começamos a falar besteira, óbvio que o papo foi pra sexo e falei barbaridades quando me dei conta que estava com o microfone... O cara do áudio deve ter adorado...
Ontem, dei entrevista pra Marta Góes, colaboradora da Contigo. Foi uma tarde maravilhosa. Sabe aquelas pessoas com quem dá pra passar a tarde conversando sem perceber que o tempo está passando? Empatia pura. Após a entrevista fomos pra Paulista para fotografar. Foda! Tinha uns malucos com guitarra e amplificador tocando Guns, gente de todas as tribos circulando. O fotógrafo queria me pegar no meio da avenida. Então, foi muito engraçado, cada vez que a sinaleira fechava a gente corria pro meio da faixa de pedestres, sorriso na cara e cliques até ter que sair correndo de novo porque o sinal abriu. Não sei quantas vezes essa cena se repetiu. Foi com emoção e as fotos ficaram show.
Amanhã, tem o lançamento na cultura principal do conjunto nacional que fica na Paulista. Friozinho na barriga e aquela expectativa!

sexta-feira, 9 de abril de 2010

News

Gentém, a correria tá fodaaaaaa! Não é fácil ficar rica e famosa, hahahaha. Jura, né? Bueno, atualizando. Cheguei no Rio na semana mais bizarra de clima louco dos últimos quarenta anos cariocas... Era pra aterissar no Santos Dumond às 13h30, fui parar no Galeão às 17h30... Ainda por cima minha irmã foi parar no Santos Dumond... E pra melhorar nossos celulares ficaram sem sinal. Falta de comunicação total enquanto os morros despencavam matando vários cariocas. Caos total. Sobrevivemos, mas confesso que essa confusão toda deu uma melada no lançamento por lá. Foram poucos mas maravilhosos amigos, de canoa ou jetski. Enfim, depois do lançamento essa galera parceira foi pro boteco. Fechamos esse boteco e fomos pra outro, que tb foi fechado e nos obrigou a ir pra outro. Virei a noite, cheguei em casa e meti o que faltava na mala e fui correndo pro Santos Dumond pra voar pra SP. O voo atrasou, deu tempo de chegar na casa do Sid, meu fiel amigo aleijado super anfitrião. Comemos correndo e já chegou o carro da Record pra nos levar pra gravar uma matéria para o programa Hoje em Dia. Foi uma tarde suuuper agradável com a Ana Paula, que é gente boníssima. Agora, definitivamente preciso dormir. Amanhã tá marcado foto e entrevista pra Contigo! Feliz demais, mas cansada pra caralho! E vamos que vamos!

segunda-feira, 5 de abril de 2010

E começa a maratona

Quase uma da matina e nem sinal de sono. Mala pronta, só falta conseguir fechá-la. Vai ser difícil... Sabe quando a pilha de roupas e tralhas quase passa da tampa da mala?! Pois é... Acho que só sentando nela.
Bueno, amanhã de manhã começa a maratona. Vou pro Rio com minha mana Lu que vai bancar a assessora para assuntos aleatórios. Quinta é o grande dia, primeiro lançamento! Dá até um friozão na barriga. No mais, hoje recebi a primeira proposta para filmar o livro! Eeeee! Breve mais notícias.

domingo, 4 de abril de 2010

Inclusão!


Minha querida amiga Tabata se juntou com mais dois malucos (Rapha Bathe e Carolina Ignarra)e juntos escreveram e produziram um livro e áudio livro que fala da inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho.
Carolina Ignarra escreve a primeira parte e conta sua experiência trabalhando com inclusão nas emrpesas do Brasil, o que deu certo, o que não deu e muitos conceitos e informações que pra quem vive parecem simples, mas pra quem está começando a trabalhar com inclusão são valiosas! A segunda parte traz a arte e o olhar do fotógrafo Rapha Bathe em fotos de doze profissinais com deficiência em seu ambiente de trabalho. A terceira parte fica por conta da Tabs que conta as emocionantes histórias de vida dessas doze pessoas!!

O QUÊ? Lançamento do Livro: INCLUSÃO – conceitos, histórias e talentos das pessoas com deficiência
QUEM FEZ? Carolina Ignarra, Tabata Contri e Raphael Bathe
QUANDO? 05 de abril
QUE HORAS? 19h
ONDE? Livraria Cultura do Shopping Villa Lobos - Avenida das Nações Unidas, 4777 – Jd. Universidade Pinheiros – São Paulo / SP

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Trailler do Livro

Seguindo a tendência do mercado, eis o trailler do livro!
video