segunda-feira, 16 de março de 2009

As mil e uma noites na Rede Sarah

Tenho escutado tantas histórias por aqui. Tantas, mas tantas que dariam uma obra semelhante ao clássico da literatura persa. Mas, ao invés de serem contadas por Sherazade, os causos vem dos diversos pacientes e seus acompanhantes, que assim como eu, tem muita história pra contar.
Faz quatro anos que venho pro sarah, mas nessa internação, em especial, conheci pessoas com tragetórias de vida realmente doloridas.
Conheci um rapaz do lesado cerebral que lá pelos 17 anos foi numa festa a fantasia vestido de xeque. O infeliz foi dar uma mijada num barranco, pisou na capa, escorregou e teve traumatismo craniano. Dez meses depois da tragédia, o irmão do guri sofreu um acidente de carro e ficou tetra. Foda pra caralho.
Tem também um moleque de 20 anos que é jogador de futebol do Pelotas. Ele tava voltando pra casa, e um policial confundiu o carro dele com o dum assaltante que acabara de roubar uma farmácia. O tiro pegou na coluna e faz quatro meses que ele parou de jogar bola.
Conheci uma paulista muito gente fina. Ela tava internada com os dois filhos pequenos. Depois de uma discussão com o marido, ela saiu de carro com os meninos. O pneu de tras do corsinha estourou e eles capotaram diversas vezes até o carro parar de pé. Ela ficou ilesa, mas os meninos não estavam no carro. Os dois voaram pela janela e cairam numas valetas na beira da estrada. Na sequencia da capotagem, um outro carro bateu no corsa cuja roda parou a centimetros da cabeça do filho mais novo. Os dois tiveram lesão cerebral. Ficaram na UTI por um fio. Os DOIS filhos. Pataqueparéu. Graças a deus e ao empenho da mamãe, eles estão cada vez melhores, se recuperando muito bem.
Tem a história também dum guri de minas que foi pular na piscina e quebrou o pescoço. O pai dele é quem acompanha, cuida, faz tudo. Até aí, conheço muita gente que ficou tetra assim, e que tem pai presente, mas o fato é muito tempo antes, no primeiro casamento, o pai desse moleque perdeu a esposa e um filho de apenas 11 anos. Gente, o homi enterrou sua família e agora cuida do único filho tetra.
E tem mais muita história cabeluda por vir. O mais incrível, é que essa galera toda tá sempre com um sorriso na cara, tem sempre uma piada pra contar da situação. Tem forças sei lá eu de onde, pra seguir tocando a vida.
A sensação que tenho é que cada uma dessas histórias dava um filme. Um puta filme, com exemplos de tragédia e superação. É muito louco ter todos os protagonistas reunidos, aqui, no lago.

8 comentários:

Fernanda Crancio disse...

saben Ju...ia escrever sobre isso hj, sobre superação. ontem vi "O escafandro e a Borboleta", não
sei se tu já viu. Se não, vale a pena.
O filme é um lindo relato exatamente sobre superação. E é bom pra gente se dar conta que SEMPRE vale a pena seguir em frente.
Beijos pra ti e até a volta!

Alvaro Ferreira disse...

Seu blog é muito bom! Sobre ver as pessoas sorrindo mesmo em meio às dificuldades terríveis que enfrentam, acho que cedo ou tarde descobrimos que não nos abater já é alguma coisa, mas melhor ainda é se deleitar com a certeza límpida de que a vida é sagrada e única, e por isso mesmo, não pode ser desperdiçada.

Tali Godoy disse...

Nossa Ju, várias e várias histórias de superação hein... esse sim é o povo que "sacode a poeira e dá a volta por cima"...rsrs. E aí, quando retorna prá vida normal?!?!...=)

Beijos

advogadovoador disse...

Pois é Ju, o Sarah é dezzzzz, seja pela galera maravilhosa que conhecemos, seja pelos excelentes profissionais, gente de primeira linha...saudades desse lago e dos causos que ai conhecemos...bjs e abraços pra galera, em especial o tio Cid e pro Igor, pra enfermeira Vera, heheheh são tantos especiais...bjs guria e sucesso nas empreitas..

Jairo disse...

Esse filme eu iria na pré-estréia, na estréia, e, certamente, pagaria uns moleques para aplaudirem em pé por mim... Viver é uma emoção diária para todos... viver sendo "chumbado" é, a meu ver, ter apenas essas emoções mais em evidência... beijos

Tali Godoy disse...

Ju,

por simples curiosidade entrei no site da Rede Sarah e fiquei boquiaberta com tamanha tecnologia. Agora sim eu entendi melhor o pq vc fica tão entusiasmada quando está nesse lugar...rsrs

Beijos

Juliana Carvalho disse...

Fe, Não vi ainda, mas já ouvi falar! Mas, tem que ter rolo de papel pra assistir, né?
Bah, Alvaro, é isso mesmo que penso da vida. Vamos curtir!
Tali, isso aqui é primeiro mundo mesmo... Minha alta está prevista para 03 de abril.
Pode deixar que mando os bjs augustosinho!
Jairão, viver chumbado é uma oportunidade fantástica de aprendizado!
Bjs!

Mari Kuhl Leme disse...

Olha como esse mundo é pequeno mesmo. Cheguei até aqui pq tenhos amigos na editora terceiro nome que me indicaram seu blog. Estou lendo todos os posts e fiquei maravilhada com vc! Vc é o máximo! Nesse post em especifico vc comenta a historia dos dois irmaos que estao na cedeira de rodas. Sou muito amiga da familia deles e estudamos no mesmo colegio, acompanhei toda a historia.. É muito dificil mas eles são ótimos e tem uma familia maravilhosa.
adorei seu blog!
grande beijo